Não ponho fé

– Ele vai cair na bagaceira…

– Certamente está vislumbrado com a cidade grande. Mas talvez sua mãe o controle, diz o rapaz.

A moça replica: – Não ponho fé.

O rapaz pensa um pouco e diz: – Nem eu. Minha fé é muito pouca pra eu depositar em qualquer coisa.

O diálogo toma outro rumo, mas no resto do dia, o rapaz não para de pensar na frase que, por impulso, disse sobre sua pouca fé, do cuidado que tinha e do medo em depositá-la sobre qualquer coisa.

Já tivera fé nos homens. Teve seus heróis. Sonhava que quando crescesse seria igual a eles e transformaria o mundo. Também quis ser bombeiro, soldado. O pessoal da igreja dizia que era um menino prodígio, que lia a Bíblia e superava em zelo e dedicação a todos da sua idade. Mas o tempo foi passando, como passam as andorinhas pelos verões, ele foi crescendo, seus heróis se acabando, seus castelos caindo, ruindo , fechando…

Também teve fé na instituição. Afinal, desde pequeno fora ensinado que era lá que Deus estava. Portou-se como um servo fiel e cada vez que vacilava e era disciplinado com base em costumes sem fundamento bíblico, aceitava de bom grado, afinal, era para o seu crescimento espiritual. Não entendia como alguém poderia viver sem aquilo. Como poderia? Ali estava a salvação, ali estava protegido do mundo, ali estava todo o universo que ele deveria conhecer. Mas o tempo, esse impiedoso ditador, passou novamente. Um dia, ele se vê sozinho, mesmo cercado de pessoas, odiando todo aquele ambiente de hipocrisia, falsidade e máscaras de felicidade. Ele mesmo percebe que está representando um papel e rapidamente tenta arrancar sua máscara. Como ela está pregada ao rosto, dói muito. Perdera a fé em tudo aquilo.

Mas tinha ainda fé num deus que tinha preparado cada cena no filme da sua vida. Afinal, já tinha orado pra passar no vestibular de engenharia e, se não passou, não era da vontade do seu deus. Tanta coisa já tinha dado errado, pelo fato dele ter ignorado a vontade desse deus, era castigo. Esse deus já tinha mandado seus profetas avisá-lo de algumas conquistas da sua vida que estavam prontas, bastava ele afirmar e tomar posse. Sabia que esse deus era soberano, onipotente e que nada aconteceria com ele sem que esse deus permitisse. Um dia, ele viu o sofrimento de perto, a injustiça, as tragédias, viu inocentes sendo mortos sem saber que tinham uma vida, tudo para glória desse deus. No mesmo instante perde a fé nele.

Por falar em fé, não sabia mais o que essa palavra significava. Vários conceitos formavam um turbilhão na sua cabeça e ele não sabia mais em quem acreditar e nem o que significava acreditar.

Numa tarde ele abriu um livro de um maltrapilho como ele e sente o abraço de um Deus que o ama, que divide com ele a construção da historia e que sofre ao ver que tipo de mundo o rapaz e as outras pessoas haviam construindo. Esse Deus que pode ser encontrado em qualquer em que o busquem em espirito e em verdade, além de todas as definições, que mostra seu rosto através pessoas, independente de quem sejam ou em qual instituição estejam ou não estejam, mesmo que nem creiam nele.

Esse Deus o ama incondicionalmente.

Sua fé renasce como uma forma de encarar a existência, uma esperança que no fim o Amor vencerá. Ainda é pequena – talvez do tamanho de um grão de mostarda – e pouca, quem sabe nunca moverá montanhas, mas já é suficiente para movê-lo pelo caminho da vida.

Anúncios

2 pensamentos sobre “Não ponho fé

  1. Senti falta desse tipo de leitura, difícil de achar nesses tempos… E me identifiquei com coisinhas aí que me emocionaram, então alguém pensa: mulher se emociona com tudo. E eu digo: errado. Pelo menos não no meu caso. Quando me emociono, é que a coisa é séria.

    Por favor, continue. =)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s