Dicas para quem luta pela liberdade religiosa, liberdade de expressão, família e em defesa da vida

protesto-evangélicos-brasília

Como tenho vários amigos engajados na luta pelas causas descritas no título e querendo ver o bem de todos, proponho algumas dicas que facilitarão sua luta e os pouparão de esforços inúteis. Divido as dicas por área de reivindicação.

Você luta pela liberdade religiosa? Que tal começar por respeitar a liberdade de religião e culto de quem tem uma religião que NÃO é a sua? Fazer um esforço para não demonizar quem crê num deus diferente do seu, além de facilitar o diálogo, vai te livrar da daquela culpa de não ter conquistado pelo menos um convertido por ano para a sua igreja. Você sentirá um peso saindo das suas costas. Algo puramente terapêutico. Respeitar que não crê é igualmente importante. Lembre-se que você é ateu de vários deuses de países e culturas diferentes e não iria gostar de ser obrigado a segui-los.

Você clama por liberdade de expressão? Permita que se expresse todo aquele que tem ideias e visões diferentes da sua. Me desculpa mas, agredir e excluir alguém que você PENSOU que era de uma opinião contrária, só mostra que você não luta por liberdade de expressão. Até luta, pela liberdade de expressar seu ódio sem impedimentos e para calar o outro. Que feio.

Você defende a família? Que legal, cara! Isso é muito importante. Eis algumas sugestões para te ajudar:

  • Tire um tempo de sua agitada agenda de protestos para sentar e conversar com seus filhos; sair com eles para tomar um sorvete;  curta as fotos deles no Instagram; não os envergonhe no Facebook; faça elogios sinceros quando eles se destacarem em algo.
  • Fingir de defensor da família enquanto passa cantadas em todas as mulheres da cidade e trai sua esposa num motel ou num bate-papo NÃO  vai ajudar na sua defesa da família. Pense nisso com carinho.
  • Você tem direito de crer no que quiser, mas por favor, não queira controlar a família alheia via legislação ou citando textos que não se aplicam aos tempos atuais.
  • Parar de fazer sua mulher de escrava também é importante.
  • Se você não ama seu cônjuge e já esgotou todas as formas e tentativas de ficarem juntos, se separe. Não é ilegal. Se você for protestante, isso é ainda mais fácil – A tradição permite que você faça isso e recomece sua vida sem ir para o inferno. Mas atenção, não precisa fazer isso a cada 3 anos.
  • Você é contra o casamento gay? Isso é fácil de resolver: não case com um.
  • Você é jovem tem sua namorada (o) e precisa casar logo pois não aguenta de tanto desejo? NÃO FAZ ISSO, POR FAVOR. Casar neste caso, não é ser a favor da família. Creia, depois que vocês assinarem os papéis vai ser tudo muito lindo, mas paixão e desejo são coisas engraçadas, geralmente elas somem alguns anos depois e você vai ter ao seu lado uma pessoa que você não conhecia e sequer ama. Muita gente vive nessa prisão há muito tempo, sabia? Que triste.
  •  Pesquise um pouco sobre o casamento tradicional na bíblia e durante a História. Se você fizer o dever-de-casa bem feito, talvez não vá sair por aí defendendo esse tal casamento tradicional. Ah… não case só para ter direito à subida na hierarquia da igreja, seu egoistazinho interesseiro.

Você é a favor da vida?  Você já pensou na possibilidade de lutar pela defesa da vida INTEIRA? Explico: Não adianta você ser contra o aborto se quando o garoto completar 15 anos e cometer um crime, você dizer que “A polícia tem mais é que meter bala em bandido mesmo. E se ele não morrer logo, que se instaure a pena de morte!” Veja que conservar a vida do menino para matá-lo depois não é algo tão coerente e nem humano. 

Se por alguma razão especial você está envolvido e luta por cada ponto apresentado acima e ficou com preguiça de seguir todos esses conselhos, eu posso resumir tudo em uma palavra, um verbo. Se você passar a praticá-lo, te garanto que não vai mais precisar de leis, manuais, de seu pastor mandar, de gente chata te dando conselhos que você não pediu, nada mais. O verbo está no imperativo e não fui eu quem mandou: AME.

Só mais uma coisa, se você amar por que alguém muito importante para você ordenou, não há tanta virtude assim no seu ato. Imagino que se a pessoa mandasse você odiar, você também o faria.
Um abraço apertado.

Anúncios

Korn: estaria Brian Head Welch retornando à banda?

Matéria by http://www.whiplash.net

Korn: estaria Brian Head Welch retornando à banda?.

Já vi alguns cristãos criticando o Brian pela provável volta à banda.

Fruto do velho exclusivismo que obriga qualquer convertido a abandonar e negar seu passado, cortar laços de amizade e se tornar mais um “separado do mundo”.

A história do Brian foi trágica e sua recuperação foi muito bonita e eu não sei quais as razões que levaram o Brian a mudar de ideia e voltar pra banda.

Tenho certeza que fora ou dentro do Korn, ele saberá distinguir muito bem tudo que era ruim pra ele e seguirá servindo à banda com o seu talento e profissionalismo – coisas que para um cristão não são santas nem profanas.

Melhor assim, com sinceridade e trabalhando com sua arte, do que viver de testemunhos que renegam o passado, bancando o super-convertido-moralista pra aplauso de uma platéia caracterizada pela preguiça de pensar. E ainda receber de bom grado, todo $$$ advindo dos direitos autorais das antigas músicas “profanas”.

aqui, uma parte do testemunho dele sobre sua conversão e um trecho de um show dele.

 

Obra de Deus

Todas as noites, ele encontra um bêbado caído em seu caminho.

– Esse viciado…se entope de cachaça e vem cair aqui na calçada e atrapalhar quem precisa passar. Tenho que ir para a avenida, correndo o risco de ser atropelado por causa de um cachaceiro.

Anda mais alguns quarteirões, passa por aquela rua barra pesada. Esbarra com uma garota de programa, ouve um xingamento e diz pra si:

– o sangue de Jesus tem poder!  Esse mundo está perdido mesmo. Onde já se viu? Não gosto de passar por aqui…essas mulheres da vida, nem sei se é mulher mesmo. Pouca vergonha. Melhor não encostar nesse povo…posso até pegar uma doença dessas que só dá em gente de vida devassa.

Mais adiante, já próximo do seu destino, encontra alguns mendigos debaixo de um viaduto que lhe pedem dinheiro.

– Por que não vão trabalhar? duvido que seja pra comida. Vão é comprar droga. Essa polícia corrupta, bem que poderia varrer esse povo das ruas e mandar pra uma ilha dessas. Esse prefeito só não é pior porque dá espaço e patrocínio para as festas da nossa comunidade. Tenho que orar por ele.

Na próxima esquina, para impaciente, tem que esperar uma marcha coletiva passar:

– É por isso que esse país é tão castigado… como é que pode uma coisa dessas? Umas desavergonhadas dessas agoram podem fazer passeatas nuas? Elas tem é que respeitar as pessoas de bem. Não quer ser estuprada? que se vista decentemente e não saia por aí dando bola pra qualquer um! Depois ficam grávidas e querem logo abortar! Vão pagar caro! Ah vão!

Ele finalmente, chega ao seu destino. Coloca uma gravata e pôe-se à porta cantarolando a música que a banda toca lá dentro. Convida as pessoas para entrar e aos que não entram, distribui um folheto evangelístico.

Sente-se realizado mais uma vez. Apesar de todos os empecilhos do caminho, agora pode fazer a obra de Deus.